Teatro da fraude?

“Art. 1º Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.”

Vamos conversar um pouco sobre as fraudes nas urnas e o que foi exposto pelo presidente Bolsonaro e o deputado Filipe barros — Relator da PEC do voto impresso — em 4 de agosto.

No artigo que escrevi, publicado no @agoranoticiasbr, já comentara sobre a necessidade de se fazer uma verificação do software das urnas antes das eleições.

É fato que, como as urnas não possuem conexão com a internet fica, impossível sua violação, no entanto, se for programada de modo a você votar em um candidato e ela registrar o voto para outro — fraude — a emissão de BUs (Boletins de Urnas) ao fim da votação, confirmariam os votos computados, “legalizando” assim a fraude.

Na live do presidente, ele confirmou por documentos que as urnas não foram invadidas, porém, o servidor que alimenta (insere) os códigos fontes nas urnas foi, ou seja, o software das urnas pode ter sido alterado, gerando uma contagem programada.

Na live anterior, em 29/07, o presidente apresentou alguns indícios de fraudes como a eleição para prefeito da cidade de São Paulo onde, do início ao fim, todos os candidatos apresentaram a mesma porcentagem de votos, além do apagão durante a apuração, fato confirmado pelo próprio TSE.

O que já sabemos:

_ As urnas são invioláveis;

_ O software das urnas são programáveis;

_ Servidor que programa as urnas foi invadido;

_ Houve apagão na coleta dos votos em 2020;

_ Apuração para prefeito de SP, foi atípica com candidatos mantendo a mesma porcentagem de votos do início ao fim da apuração.

Pergunto eu:

E se as urnas da cidade de SP foram programadas daquele jeito?

E se não houve invasão, sendo tudo um teatro?

E se a cidade de SP serviu como um teste para fraudar as eleições de 2022?

Vamos supor que um candidato — por ex. Celso Russomano — pedisse recontagem dos votos devido a esta atipicidade?

O TSE somaria todos os BUs, que “confirmariam” com a contagem final apurado, “legalizando” a suposta fraude e acabando com qualquer dúvida, levando todos a acreditarem que as urnas são seguras, num verdadeiro “Teatro da fraude”.

Se isto tivesse ocorrido, hoje, não estaríamos falando em voto impresso e auditável, e a turma do lado de lá, estaria segura para colocar em prática em 2022, a fraude experimental de 2020.

Por sorte, ninguém pediu recontagem dos votos, o que levaria o TSE a confirmar que as urnas “violáveis”, são seguras!

Se todo poder emana do povo, está na hora do povo ir às ruas diariamente exigir que sua vontade seja feita!

#VotoImpressoAuditavelJa #VotoImpressoAuditavelComContagemPublica

Adilson Veiga

Twitter: https://twitter.com/Ajveiga2

--

--

--

Pai de família, conservador

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Adilson Veiga

Adilson Veiga

Pai de família, conservador

More from Medium

New Bucketlist Item: Get a Pilot License

Windows 11 Review (2021): Everything you need to know

SIMULINK

Future is a breeze | Hasso Krull