O Fim de um Insignificante

“Você pode ignorar a realidade, mas não pode ignorar as consequências de ignorar a realidade.” (Ayn Rand — filósofa)

Terminou o mandato de presidente da câmara do Sr Rodrigo Maia, o mais longevo de forma ininterrupta desde a redemocratização do Brasil: foram quatro anos, seis meses e 19 dias de mandato.

Cargo que assumiu em 14/07/2016, após a prisão de Eduardo Cunha, então presidente, pela lava-jato, até 01/02/2021. E, neste período, podemos dizer que foi o presidente da casa que menos contribuiu para o país.

Tido pela imprensa como primeiro-ministro, de fato, pois sempre foi marqueteiro, achou espaço na mídia tradicional progressista e se aproveitou para tentar assumir o protagonismo.

Mas, na verdade, não agradava nem a situação, pois travou todas as pautas do executivo prejudicando o crescimento do país, e nem tão pouco a oposição, pois também a cozinhava em banho-Maria.

Aliás, travou pautas desde a época do governo do então presidente Temer, como bem podemos ver na excelente Thread do Filipe G. Martins, do qual, reproduzo um post:

“13. Ao todo, foram quase 30 MPs que deixaram de beneficiar nosso país e nossa economia, graças a mesquinharia de Rodrigo Maia. Tudo, claro, com a cumplicidade da velha imprensa em geral e da Rede Globo em particular.”

Rodrigo Maia, soube aproveitar muito bem os benefícios do cargo, que são: salário de R$ 33,7 mil, casa de 800 metros quadrados com despesas pagas, carro com dois motoristas e R$ 4,2 milhões por ano para distribuir a um séquito de até 47 funcionários.

E não podemos esquecer, as quase 900 viagens em jatinhos da FAB!

Porém, esqueceu de duas coisas importantíssimas:

1 — A mídia tradicional que sempre usou, não é mais tão relevante;

2 — Não há mal que dure para sempre.

E com a derrota acachapante de seu indicado à presidente, vai aprender sobre a soberba.

Não tenho nenhuma dúvida de que passará o resto de seu mandato como um deputado irrelevante, mal visto pelos seus pares, evitando voos comerciais e se escondendo da população.

Fica a dica para o Maia:

“A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda. Melhor é ser humilde de espírito com os mansos, do que repartir o despojo com os soberbos.” (Pr 16,18–19.)

--

--

--

Pai de família, conservador

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Adilson Veiga

Adilson Veiga

Pai de família, conservador

More from Medium

Digital Natives vs. Visitors vs. Residents

Activism and Advocation In The Digital Space

Pokémon Legends: Arceus

What makes your work-life sparkle?