Carnaval, e Nossa Hipocrisia

Escrevo este texto, agora, para mostrar um pouco do que é o brasileiro, sua espontaneidade e sua hipocrisia.

Talvez eu possa até ser xingado ao final, mas o que penso escrever reflete a realidade de um país acostumado, há séculos, a receber de seus governantes apenas “pão e circo”!

Hoje é sábado de carnaval, de um carnaval cancelado por conta do Covid e, apesar de toda gravidade pandêmica que enfrentamos, o brasileiro consegue fazer humor com a situação.

Mas voltemos ao ano de 2020!

O carnaval de 2020, foi no dia 25/02/2020, tendo seu início, no dia 21/02 /2020 — sexta de carnaval. Hoje, quase 100% da população é unanime em dizer que se tivessem cancelado o carnaval a situação não teria se agravado tanto e, portanto, foi a sanha de governadores e prefeitos em não perder o faturamento com turismo, a causa de todos os nossos problemas.

Assim, naquele 21/02/2020, o Ministério da Saúde ampliou a lista de países em alerta para o coronavírus que passou a incluir Japão, Singapura, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Tailândia, Vietnã, Camboja e China. Nós ainda não tínhamos nenhum caso confirmado no Brasil, que só veio a acontecer, justamente, após o último dia de carnaval (26/02) em São Paulo — tratava-se de um homem de 61 anos que voltou de uma viagem na Itália.

Além disso, em 30/01/2020, o Dr. Dráusio Varella havia publicado um vídeo informando que o Coronavírus não passava de uma gripe.

Agora, vamos ser sinceros e menos hipócritas por um pequeno momento!

O carnaval é uma festa popular, que envolve muitos fatores e pessoas de várias camadas sócias, tem custo, gera emprego para milhares de pessoas de classe baixa, tanto direta (que trabalham em barracões) quanto indiretamente (vendedores ambulantes de comidas, bebidas e souvenires), além de grandes arrecadações ao país e seus entes federativos.

Mesmo após o Presidente Bolsonaro ter declarado “estado de emergência” no dia 04/02/2020, convenhamos, haveria muita gritaria caso o carnaval tivesse sido cancelado. Inclusive, por muitos que hoje criticam o não cancelamento do carnaval do ano passado!

Como bem disse Pedro Henrique Alves (Filósofo, colunista do Instituto Liberal):

“Depois de um bom banho, no final de um dia estressante de trabalho, sentado na poltrona mais gostosa de sua casa, com um jazz de fundo e uma taça de vinho na mão, ali é, enfim, permitido sermos sinceros de verdade ante à realidade. Ninguém nos vê, ninguém nos escuta. Não precisamos mais fazer média para os grupos a que pertencemos; não precisamos nos portar galantes na frente da moça ou rapaz com que flertamos, e nem fingir que nos importamos com qualquer inclusão social ou com as girafas da Amazônia.

Ali, na poltrona da franqueza, está liberado falar e pensar asneiras ridículas, xingar a mãe, a ex e o Papa, podemos até assistir ao BBB para depois dizer que quem assiste é idiota útil. Ninguém julgará. Naquela poltrona, vertidos na sinceridade de um estado de natureza, afastados dos compromissos sociais, ideológicos e das amarras psicológicas, podemos então admitir o que todos nós sabemos.”

Então, está mais que na hora de deixarmos de ser hipócritas e aceitarmos que sempre será mais fácil criticarmos do que apresentarmos algo diferente, ou apoiar quem tenha apresentado — desde que faça sentido.

Se, realmente queremos mudar algo neste mundo, devemos começar por nós mesmos — e só seremos capazes de fazer isso quando conseguirmos ser sinceros conosco!

Adilson Veiga

--

--

--

Pai de família, conservador

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Adilson Veiga

Adilson Veiga

Pai de família, conservador

More from Medium

I found myself held down by a police officer on a medical stretcher.

How Medping Utilizes Medward

Sofia Carson: It’s Only A Debut Album, Nobody Dies

Celebrating DocuSign’s IPO: