As Narrativas coordenadas do globalismo

Publicado Originalmente no https://vidadestra.org em 6 de abril de 2021.

Após um regime militar que nos impediu de cairmos num regime comunista e 35 anos de governos sociais-democratas, com todos os setores públicos aparelhados, uma Constituição que não tem nem como nominar, tem gente que não tem noção do que está acontecendo.

E não vou nem citar as eleições norte-americanas, amplamente debatidas, por supostas fraudes promovidas pelos democratas!

O foco será os globalistas, que muitos pensam ainda se tratar de teoria da conspiração!

Vamos começar pela onda de censura e banimentos de conservadores das redes sociais no mundo inteiro, como o caso do banimento ex-presidente Donald Trump do Twitter; ou a exclusão do Parler (rede social basicamente da direita conservadora) das suas plataformas de downloads, e da Amazon, numa clara quebra de contrato unilateral, ilegal e imoral, que tirou o Parler de seus dos servidores — decisão essa que tirou o Parler do ar. Numa clara ação coordenada, por empresas distintas, como bem descreveu o amigo Angelo, em seu artigo.

Vejamos, por exemplo, o movimento “Black Lives Matter” (BML) que, na verdade, tem o caos como premissa e não a vida dos negros, ou o combate ao racismo, tem uma de suas líderes, com projetos financiados pela China, já se declararam extremamente socialistas.

Na realidade temos sim uma configuração ideológica. Eu e Alicia (Garza) em particular somos organizadoras treinadas. Somos marxistas de carteirinha. Somos super versadas em teorias ideológicas”. — cofundadora do BLM Patrisse Cullors, 22 de julho de 2015.”

Outro bom exemplo de como os globalistas estão agindo é a indústria do entretenimento, aqui, mais especificamente a DC Comics e a Marvel!

Na DC Comics temos o Raio Negro um super-herói negro — ele é diretor de uma escola, casado com uma cientista e pai de duas filhas. Vive citando Martin Luther King e o tema principal da primeira temporada é o conflito entre negros e policiais, onde a toda hora ouvimos a frase “vidas negras importam”.

Na Marvel, agora temos a série Falcão e o Soldado Invernaloutro super-herói negro.

Em entrevista para a Variety, Spelmman (roteirista) explica como a série trata da política contemporânea — de Black Lives Matter à pandemia de peste chinesa e conta como o herói teve um empréstimo bancário recusado, por ser negro.

“Aquele foi um momento muito, muito divertido (sic), (…) o fato de ser uma celebridade, não transcendeu o fato de ele ser negro”

Agora, o supra-sumo dos globalistas: a imprensa!

Em 26 de junho de 2017, o The New York Times publicou um artigo de opinião com o título “SÉCULO VERMELHOO futuro do socialismo pode ser o seu passado” de Bhaskar Sunkara.

O autor tenta vender um socialismo democrático, com seus líderes escolhidos pelo voto direto, e ampla participação da sociedade em todas as decisões.

O artigo começa dizendo o seguinte:

“Cem anos depois que o trem lacrado de Lenin chegou à Estação Finlândia e pôs em movimento os eventos que levaram aos gulags de Stalin, a ideia de que devemos retornar a está história em busca de inspiração pode parecer absurda. Mas havia uma boa razão para os bolcheviques se chamarem de “social-democratas”. Eles faziam parte de um amplo movimento de partidos em crescimento que almejava lutar por uma maior democracia política e, usando a riqueza e a nova classe trabalhadora criada pelo capitalismo, estender os direitos democráticos às esferas social e econômica, o que nenhum capitalista permitiria.”

E, após pontuar defeitos no capitalismo, dizer que a ameaça à democracia hoje vem da direita, e não da esquerda, termina o artigo com a seguinte afirmação:

“Mas há uma terceira alternativa: voltar à “Estação Finlândia”, com todas as lições do passado. Desta vez, as pessoas podem votar. Bem, debater e deliberar e depois votar — e terão fé que as pessoas podem se organizar para traçar novos destinos para a humanidade. […]

Algumas linhas gerais já devem estar claras: cooperativas de trabalhadores, ainda competindo em um mercado regulado; serviços governamentais coordenados com o auxílio do planejamento cidadão; e a provisão dos fundamentos necessários para uma boa vida (educação, moradia e saúde) garantidos como direitos sociais. Em outras palavras, um mundo onde as pessoas tenham liberdade para atingir seus potenciais, sejam quais forem as circunstâncias de seu nascimento.

Só podemos chegar a esta Estação Finlândia com o apoio da maioria; esse é um dos motivos pelos quais os socialistas são defensores tão enérgicos da democracia e do pluralismo. Mas não podemos ignorar a perda da inocência do socialismo no século passado. Podemos rejeitar a versão de Lenin e dos bolcheviques como demônios enlouquecidos e optar por vê-los como pessoas bem-intencionadas tentando construir um mundo melhor fora de uma crise, mas devemos descobrir como evitar seus fracassos.[…]

Nossa Estação Finlândia do século XXI, não será um paraíso. Você pode sentir tristeza e tristeza. Mas será um lugar que permitirá que tantos agora esmagados pela desigualdade, participem da criação de um novo mundo.” (grifei)

A narrativa de empurrar o socialismo, em nada difere, do que ouvimos de nossos políticos de esquerda. São apenas novas mentiras, para encobrir o velho socialismo maligno.

Quem nunca ouviu o Humberto Costa, Gleisi, Jandira, e até o Corrupto Mor, falando em democracia?

Coincidência?

Não!

Narrativas coordenadas, em todos os lugares do mundo!

Adilson Veiga

Twitter https://twitter.com/Ajveiga2

--

--

--

Pai de família, conservador

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Adilson Veiga

Adilson Veiga

Pai de família, conservador

More from Medium

Why Memes Are Becoming the Saving Grace for Social Interaction of This

My Pet Peeve as a Deliveryman #5: Buildings Without Any Unit Directories

Three AM Thoughts of a Frustrated Artist

Left-brained or right-brained: why not both?