Aprendendo com a grande saga, para enfrentarmos os atuais senhores da escuridão.

Publicado anteriormente no Vida Destra

uitos já tiveram a oportunidade de acompanhar, se não toda a trilogia, ao menos um dos filmes ou livros de “O Senhor dos Anéis”.

Criado por J.R.R. Tolkien, a história se passa na Terra-média e traz a saga do pequeno hobbit Bilbo Bolseiro, atravessando muitas regiões para poder destruir “O Anel” e pôr fim ao terrível Senhor da Escuridão, Sauron.

Além de se tratar de histórias realmente muito emocionantes e instigantes, essa trilogia mostra muitas situações análogas à nossa realidade, por isso, tem muito a nos ensinar.

Antes de começarmos, uma pequena particularidade sobre J.R.R. Tolkien: Nascido na cidade de Bloemfontein na República do Estado Livre de Orange — atual África do Sul — em 3 de janeiro de 1892, foi um escritor, professor universitário e filólogo britânico, católico fervoroso, lutou na primeira grande guerra contra os alemães.

Nos filmes, acompanhamos a saga do hobbit — criaturas pequenas -, Frodo Bolseiro em sua jornada para destruir o “um Anel”, o mais poderoso dos 20 anéis do poder, que anseia voltar para o seu dono Sauron, o Senhor da Escuridão.

Esse anel controlava os outros 19, que controlava e corrompia a vontade de quem os usasse — três anéis foram dados aos reis elfos, sete aos senhores das casas dos anões e nove foram dados à raça dos homens.

Aqui, vai a primeira comparação: longe das teorias da conspiração, é certo que nem tanto na escuridão assim, vemos alguns senhores, distribuindo “anéis” — doações em dinheiro, não só às ONGs — corrompendo algumas lideranças no mundo, e inclusive por aqui no Brasil.

Na saga, forma-se um grupo — a sociedade do anel — que sai em direção a montanha na terra de Mordor. Este grupo era formado por Frodo e seus três amigos hobbits: Merry, Pippin e Samwise, Gandalf o mago, Legolas o elfo, Gimli o Anão, Aragorn e Boromir homens.

Vejam, que é um grupo heterogêneo, de raças diferentes, lutando contra a escuridão. Não eram grupos minoritários, eram indivíduos, não se juntaram anão com anão, nem hobbits com hobbits e nem tão pouco elfos com elfos, para disputarem quem era mais importante, melhor ou quem deveria ser o responsável por levar o anel.

A segunda lição é: o que for ruim ou mal, será para todos igualmente, assim como o que for bom, então, não deveria existir disputa nem privilégios para alguns em detrimentos de outros!

Na saga, lutavam por valores conservadores, pois lutavam pela vida, pela liberdade — Sauron queria ser senhor, queria escravos — e por sua história — propriedade.

Por isso, deixo aqui as outras lições:

Ter Fé — a Fé remove montanhas;

Ter sempre um objetivo claro — a clareza nos mostra o caminho certo;

Buscar coragem e determinação em todos os momentos — por mais árdua e sofrida que seja a nossa jornada, não devemos desistir;

Sempre valorizar os relacionamentos — as amizades construídas em tempos difíceis e nas lutas, são as mais verdadeiras;

E, principalmente, ter cuidado com o poder colocado nas mãos erradas.

Ao contrário do que dizem, o poder não corrompe — ele só mostra o melhor de quem é bom, e o pior de quem já é ruim — um bom exemplo disso, podemos observar nos governadores e prefeitos que ficaram responsáveis por gerirem nossas cidades durante a pandemia.

Adilson Veiga

Twitter @Ajveiga2

--

--

--

Pai de família, conservador

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Adilson Veiga

Adilson Veiga

Pai de família, conservador

More from Medium

Needfinding — Airport Transportaions

On Canada’s open government process

What is the Connection Between Racist Redlining Policies and Climate Change?

The “Silver Racer” Radio Shack Jaguar XJ220